Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ai de Mim

30
Jun18

Precisa de mais alguma coisa, Ana?

Ainda bem que não sou dada a frequentes sentimentos de inferioridade.

Há pessoas que têm o dom de nos deixar incomodadas e a mim incomoda-me quando me tratam como se eu não pertencesse àquele lugar, como se estivessem a fazer o favor de me ter ali.

 

Na passada 4.ª feira de manhã tinha marcada uma consulta de nutrição. Era gratuita porque é um protocolo que o ginásio tem com alguns centros de estética e nutrição. A consulta correu bem, a nutricionista não me deu novidades nenhumas e adaptou o meu "novo" plano alimentar ao que eu já fazia, de modo a não sentir grandes diferenças e para conseguir cumprir.

No final quis oferecer-me um vale em que estavam incluídos uma avaliação morfológica, um tratamento de rosto, um tratamento redutor e uma drenagem linfática.

Deu-me o papel e registou o meu nome e contacto.

Cheguei a casa, almocei e pouco depois recebi uma chamada do centro em que tinha estado de manhã:

 

- Boa tarde Ana. Gostaríamos de saber para quando quer agendar a sua avaliação morfológica.

- Boa tarde. Mas eu estive aí de manhã.

- A fazer a avaliação morfológica?

- Não, na consulta de nutrição.

- Pois, mas agora queremos saber quando pode vir fazer a avaliação.

- Quando é que têm vaga?

- Pode vir hoje de tarde.

(esperem lá, e não me podiam ter dito isso enquanto estava no centro? É que de minha casa ao local do centro são cerca de 20km e como tenho que regressar, passam a ser 40km)

- Hoje à tarde já não dá. Como estive aí de manhã, não me dá jeito ir de tarde.

- Então quando é que pode?

- Amanhã ou sexta.

- Então pode ser amanhã? A que horas?

- Pode ser após o almoço?

- Após o almoço a que horas? 12? 13? 14?

- Pode ser às 14h ou 14h30.

- Então fica marcado para as 14h30, Ana. Até amanhã.

 

Até aqui tudo (mais ou menos) bem.

Na 5.ª feira lá fui eu. Como no papel que me tinham entregue estavam escritos todos os tratamentos que me iam oferecer, pensava eu que me iam fazer inicialmente a avaliação morfológica e que em seguida iria ser encaminhada para alguma sala para fazer os tratamentos.

De forma resumida, cheguei mais cedo e saí do centro mais cedo do que a hora a que devia chegar.

Passo a descrever: quando cheguei preenchi uma folha com os meus dados e quais as áreas que gostava de tratar. Em seguida fui encaminhada para uma sala para falar com a senhora que me iria fazer a avaliação morfológica. Esta avaliação consistiu em ler o que eu tinha escrito na folha, pressionar a minha coxa com o dedo para ver se eu fazia retenção de líquidos e em apresentar-me planos de tratamento em que o mais barato - com uma super promoção - iria ficar por uns simples 450€.

 

A senhora perguntou-me o que eu achava, ao que respondi que para mim era muito caro.

- Sabe Ana, há pessoas que acham caro e outras que acham muito barato.

- Pois é. Depende do que cada um tem no bolso.

- Olhe, mas gostava de experimentar? Podemos fazer uma sessão de oferta.

- Gostar até gostava, mas não me sinto bem a vir aqui usufruir sabendo que não poderei continuar.

- Mas não tem que se sentir assim. Tem o direito de experimentar.

(Achei estranho. Já me tinham oferecido os tratamentos que estavam descritos no papel e ainda me estavam a oferecer mais uma sessão?)

 

Fui novamente encaminhada para a receção, pensando que ia apenas aguardar pela minha vez para ir para os tratamentos de rosto, tratamento redutor e drenagem linfática.

A rececionista perguntou para quando podia marcar o tratamento (pensei eu que seria o que a senhora tinha referido na "avaliação morfológica") e eu perguntei se não podia ser no próprio dia, porque como era de longe, não me dava jeito estar a voltar a ir até lá.

- Para hoje já não temos vaga, Ana.

- Então pode ser amanhã, em princípio.

- Pode ser às 14h?

- Sim.

- Fica então marcado.

(Momento de silêncio. Ela ali sentada e eu à espera que me dissessem para aguardar a minha vez para os tratamentos de rosto e afins).

- Precisa de mais alguma coisa, Ana?

- Hoje era só isto que queriam que eu cá viesse fazer?

- Mas porquê, Ana? Esperava que acontecesse mais alguma coisa hoje?

(Claro! Ou acha que eu faço 40km para ouvir preços e me pressionarem as coxas durante apenas 10minutos?)

- Bem, não ia ser hoje o tratamento de rosto e....?

- Isso é o que vem fazer amanhã.

- Ah, está bem. Obrigada. Então até amanhã.

 

Estética

 

40km para isto. 

"Mas porquê, Ana? Esperava que acontecesse mais alguma coisa hoje?", que bom que é ouvir isto com um tom irónico e uma cara de desdém a olhar para nós. 

Escusado será dizer que ao final da tarde enviei um e-mail a dizer que na 6.ª feira (ontem) não poderia comparecer. É certo que o que me deu vontade foi ser tudo menos simpática e cordial, mas decidi ser superior.

Não gosto quando certas pessoas, que trabalham em determinados locais das cidades chiques do distrito, tratam os outros como se fossem ser inferiores, que não têm dinheiro para ir fazer tratamentos de rosto e ir a saunas e sei lá mais o quê. Na verdade, sabem lá se eu tenho dinheiro ou não, posso apenas não ter essas prioridades na vida.

E além disso, falam como se fossemos nós a ter pedido alguma coisa. Não foram eles que "ofereceram" o vale? Não foram eles que telefonaram no próprio dia a perguntar quando podia ir lá novamente? Então qual é a lógica de tratarem os possíveis clientes assim? Fazê-los ir ao centro 3 dias seguidos, mesmo após ter referido que vive longe...

Quantos clientes não terão eles que dão 450€ (e até mais) apenas para parecerem "bem" e, na verdade, têm a vida virada do avesso? Cada qual com as suas prioridades e as minhas não passam por gastar dinheiro nessas coisas.

 

Sabem que mais?

Quero lá saber do tratamento de rosto. Já me considero bonita e não acho que precise dessas coisas. O meu ADN está bem combinado.

E a drenagem linfática e o tratamento redutor faço-os em casa, com os meus cremes de marca económica.

Escusado seria ficar revoltada com estas pessoas, mas ainda não cheguei a esse alto patamar. Estou a trabalhar para isso. É uma das minhas prioridades.

28
Jun18

Na VCI só a 80

Como assim?

Já sabemos que na VCI há muito movimento e que há zonas muito propícias a azares, mas por isso mesmo é que nas zonas mais perigosas o limite passava de 90km/h para 80km/h.

Mas agora não. Agora uma grande parte - senão toda - desta famosa estrada tem o limite de 80km/h.

Os radares lá continuam: no sentido Freixo-Arrábida são 4 e no sentido inverso são 3 (acho que não estou a dizer asneiras).

 

Estou a escrever sem conhecimento de causa (e provavelmente não o deveria fazer), mas gostaria de perceber o porquê de se estar constantemente a alterar limites. É por ser perigoso, por causa do ruído ou será que estão a pensar nas nossas economias e pretendem que o combustível dure mais tempo?

Daqui a pouco põem a VCI com limite de 50km/h e começamos todos a conduzir à velocidade que é permitida na Circunvalação (e até na Circunvalação tem zonas em que ir a 50km/h é deprimente).

 

Podem tentar convencer-me que a velocidade é um problema, mas aqui que ninguém nos lê, o problema é a fraca qualidade dos condutores.

Não se revoltem.

Ali naquela subida/descida em frente ao Estádio do Dragão justifica-se (e muito) reduzir a velocidade, mas há zonas em que é pura falta de consideração entre condutores. Há aqueles que vão todos lançados na 3.ª faixa e depois entendem que precisam de ir a Braga e atravessam-se à frente de outros condutores para conseguirem sair para a A3.

Há os que vão com pressa para chegar ao NorteShopping para ir aos saldos e fazem coisas semelhantes, esquecendo-se que podem, e seria mais fácil, "sair na saída" seguinte em direção à Boavista, ir à rotunda e entrar na Avenida AEP (onde a velocidade limite é de 70km/h).

 

Com isto quero eu dizer que enquanto não me apercebi que os limites tinham sido alterados espero não ter passado a mais de 80km/h nos 7 radares.

 

LimiteVelocidade

 

27
Jun18

Escolher um cacifo exige perícia

É mesmo o que o título indica: escolher um cacifo no ginásio exige perícia.

A verdade é que nem todas as pessoas estão atentas ao jogo, mas seria aconselhável que estivessem.

 

Passo a explicar:

 

Cacifos

Estes são os cacifos lá do ginásio. Neste momento todos estes cacifos estão desocupados.

Se eu chegar agora ao ginásio posso colocar as minhas coisas em qualquer um dos cacifos, mas tento colocar nos das pontas.

(estão a acompanhar o meu raciocínio?)

 

Agora suponhamos que eu chego ao ginásio e vejo que já há cacifos ocupados.

Cacifos

A minha curta experiência já me diz que o espaço não é muito e que, na hora de despir e vestir e tomar banho, vou precisar de algum espaço livre à minha volta. Por isso, se eu chego ao ginásio e vejo que, por exemplo, o cacifo 3 está ocupado, o meu bom senso diz-me para deixar pelo menos 2 colunas de cacifos livres. Eu sei que ficam muitos por ocupar e que parece um desperdício, mas deixem-me adiantar (antes que me julguem mal) que só o balneário feminino tem cerca de 270 cacifos

 

Desta forma podemos todas estar mais ou menos à vontade. Também não podemos ocupar o banco todo como se se tratasse do sofá lá de casa, mas deixando 2 colunas de cacifo livres e com boa vontade é perfeitamente aceitável o espaço que temos.

 

Mas agora deixem-me partilhar o que me irrita.

Imaginem que eu deixo as minhas coisas no cacifo 9 e que o 3 se mantém ocupado.

Se as minhas contas estão corretas, as senhoras que chegarem ainda têm mais 256 cacifos onde podem mostrar os seus dons. É como jogar xadrez ou damas, é tudo uma questão de perspicácia, de antecipar a jogada. E olhem que é bem possível, porque dificilmente estão mais de 50 mulheres no balneário.

Mas voltando à água fria, o que me irrita é quando deixo as minhas coisas no cacifo 9, vou treinar e após o treino vejo algo semelhante a isto:

 

Cacifos

Era uma ótima oportunidade para demonstrarem boas capacidades de análise e decisão. 

Desperdício. Um completo desperdício.

Não há desculpa. Não dá para pensar que "Se calhar a pessoa do cacifo 9 não vai sair do ginásio ao mesmo tempo que eu" porque o mundo não gira à nossa volta. E dai-me paciência, porque sempre que me deparo com aloquetes que decidiram ser meus vizinhos, as respetivas donas vão frequentar a mesma aula que eu ou outra em horário coincidente ou vão para as máquinas queimar umas calorias e acabam por ir tomar banho quando eu também já estou a caminho.

A minha sorte é que tenho sido sempre a primeira a chegar e como ainda há alguma simpatia nas pessoas, as vizinhas acabam por se mudar para um cantinho mais espaçoso (sem vizinhos).

 

Pág. 1/8

Quem é esta?

foto do autor

acompanhem também aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivo vivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D