Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ai de Mim

30
Mar18

A Saúde e o Sistema

Há que saber dar valor ao que temos.

Felizmente posso dar valor à minha saúde, que raramente me prega partidas. Mas este ano tem sido um pouco estranho.

Habitualmente costumo ter uma constipação por ano, mas 2018 quis armar-se em importante e achou por bem dar-me umas dores de costas. Tudo bem, eu cá me aguento. 

 

Em primeiro lugar, gostaria que as pessoas no geral paressem de olhar para mim com aquela cara de caso, quando me perguntam o que se passa e eu respondo que tenho dores de costas. As dores de costas não são significado de atividade sexual, há outras causas. E mesmo que não houvesse, não foi por causa dessa atividade que vieram todos ao mundo? Não percebo por que motivo fazer sempre aquele comentário trocista.

 

Em segundo, quero relatar aqui a situação. Não por estar revoltada contra isto ou aquilo, mas porque acho importante sabermos que há todo o tipo de pessoas em todo o lado.

Isto começou no dia 4 de fevereiro. Fui caminhar com a minha cadela e, como é hábito, mais parece que é ela quem me vai passear a mim. Nada de novo.

No dia seguinte estava cheia de dores na zona lombar. Como já tinha tido problemas em miúda fiquei mais alerta, mas achava eu que ia passar.

Dia 6 ainda continuava com dores, eram uma espécie de espasmos e sentia de cada vez que olhava para o lado sem acompanhar o movimento com o tronco, de cada vez que me erguia após uns tempos sentada, de cada vez que me virava na cama tentando manter-me o mais direitinha possível. Estar no escritório com dores não era algo que me agradava e quando vim embora passei pela farmácia e comprei Voltaren e umas bandas que libertam calor.

Sem efeito.

Dia 8 fui para a urgência do hospital. Cheguei lá por volta das 17h e saí quase às 24h. A médica disse-me que não eram rins e mandou fazer um Raio X à coluna lombar. Esperei mais um pouco e depois chamaram-me para me dar uma "pica", um relaxante muscular. Ainda estava com a enfermeira e a médica já me estava a chamar para me dar alta. Escreveu no relatório que tinham havido melhorias. Só que não. Vim embora com as mesmas dores, com um medicamento para levantar na farmácia e com a sugestão de fazer um TAC. Passei então na farmácia e comprei o medicamento receitado, tomei conforme indicado (1 comprimido de 8 em 8h, em SOS) e não passou. Digo eu que seria por estar sempre em SOS.

Falaram à minha mãe de um Osteopata e foi aí que as coisas começaram a melhorar. Cheguei lá, deitei-me e colocou-me umas toalhas quentes sob o corpo para não ter frio. Massajou, alongou e esticou os meus músculos e no final consegui atar os cordões sem que me doessem as costas. Não doeu porque ainda estava com os músculos quentes, porque passado uns minutos comecei a sentir novamente uma "moedeira". No entanto, aquela dor aflitiva já não era tão comum, aparecia de vez em quanto.

Recorri então ao médico de família porque precisava de fazer o TAC e também ele me receitou uns comprimidos que pouco efeito fizeram. Fui ao Hospital fazer o exame e pedi para entregarem os resultados o mais rápido possível porque sentia dores.

Os resultados chegaram e tive que ir ver ao Google o que significava aquilo que ali vinha escrito. Basicamente, o que aqui se passa é a fase prévia a uma hérnia. Menos mal... receava pior.

Voltei ao médico de família para mostrar os exames, aconselhou-me a evitar o sofá e a não me baixar sem que os joelhos sejam também fletidos. Mais uns medicamentos receitados para tomar durante uma semana, e se na semana seguinte ainda estivesse com dores então teria que lá voltar para fazer fisioterapia.

Os medicamentos desta vez ajudaram bastante, mas não eliminaram totalmente a dor. Por isso já estão a ver o resultado.

Neste momento aguardo a chegada do dia da consulta de fisioterapia. Esta história já dura há quase 2 meses e ainda parece que vou ter algumas sessões de fisioterapia para partilhar. A ver vamos.

 

Como escrevi no início, há que saber dar valor ao que temos.

E embora muitas pessoas se revoltem contra as taxas moderadoras e contra o SNS, penso que Portugal tem um SNS bom, que chega a todas as pessoas, seja qual for o seu escalão.

Com esta brincadeira já gastei 120,35€ (não estando a contabilizar o gasto de combustível por andar de um lado para o outro). Ainda me falta somar a isto o valor que virá da fisioterapia, mas se não fosse o SNS com certeza já teria gasto muito mais do que 120,35€ e é por isso que gosto de dar valor ao que temos, mesmo que isso ainda possa ser melhorado.

Quem é esta?

foto do autor

acompanhem também aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivo vivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D